Neuromodulação

A estimulação dos nervos sacrais ou neuromodulação sacral é uma opção de tratamento para os distúrbios da defecação e micção. Mais de 140 mil pacientes¹ em todo o mundo ja receberam  a neuromodulação sacral para a
recuperação do controle  urinário e intestinal.

A terapia consiste na estimulação das raízes nervosas que passam próximas ao osso  sacro através de um neuroestimulador. O neuroestimulador envia impulsos elétricos para os nervos sacros para modular a atividade neural que influencia o comportamento do assoalho pélvico, do trato urinário inferior, esfíncteres urinários e anal, e do cólon. Ao contrário dos medicamentos orais que visam o componente muscular de controle da bexiga, a neuromodulação sacral oferece controle dos sintomas através da modulação direta da atividade neural.

neuromodulacao-medtronicUma  das vantagens  da neuromodulação sacral é a possibilidade da realização de um teste durante 2 a 3 semanas.  Durante esta fase de teste o efeito da neuromodulação é observado e a melhora dos sintomas indica o implante definitivo do neuroestimulador.

A neuromodulação esta indicada para o tratamento dos distúrbio funcionais do assoalho pélvico, entre eles, a incontinência urinaria, incontinência fecal, distúrbios da defecação e dor retal crônica²-³.

É uma terapia minimamente invasiva, segura e eficaz. ²-³

 

Referência bibliográfica:

1 – Dados de relatórios internos do fabricante Medtronic Inc

2 – Wexner SD, Coller JA, Devroede G, Hull T, McCallum R, Chan M, Ayscue JM, Shobeiri AS, Margolin D, England M, Kaufman H, Snape WJ, Mutlu E, Chua H, Pettit P, Nagle D, Madoff RD, Lerew DR, Mellgren A. Sacral nerve stimulation for fecal incontinence: results of a 120-patient prospective multicenter study. Ann Surg. 2010 Mar; 251(3):441- 449

449.

3 – Siegel SW, Catanzaro F, Dijkema HE, et al. Long-term results of a multicenter study on sacral nerve stimulation for treatment of urinary urge incontinence, urgency-frequency, and retention. Urology. 2000;56 (suppl 6A):87-91.

 

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *