Como recuperar o controle intestinal

A falta do controle fecal é uma condição mais comum do que imaginamos  ! Procure um especialista !

A perda do controle esfincteriano é uma condição conhecida por incontinência fecal, e atinge de 1,4 a 18% da população geral, principalmente mulheres com historia de partos vaginais, na pós-menopausa e indivíduos idosos. A condição provavelmente é mais frequente do que imaginamos, uma vez que o individuo acometido, muitas vezes esconde o problema do médico, por vergonha e embaraço. Um  recente levantamento realizado pela internet  nos Estados Unidos entre mulheres jovens, donas de casa, revelou uma incidência de incontinência em 20% das 6000 mulheres que responderam ao questionário. Interessante que a grande parte destas mulheres nunca tinham procurado auxilio médico. Leia mais

Dicas para a prevenção do câncer do intestino

O câncer do intestino tem apresentado incidência crescente em cidades industrializadas, acometendo principalmente indivíduos obesos, sedentários e que utilizam uma alimentação rica em carne vermelha e gorduras, e pobre em fibras. A detecção precoce deste câncer pode proporcionar sua cura, porém a prevenção da doença deve ser o objetivo de todos! Leia mais

 Descontrole intestinal em crianças

A perda do controle intestinal, pode ser encontrado também na infância! O distúrbio é conhecido como megacólon psicogênico e está geralmente associado a algum transtorno de ordem emocional, como traumas e fobias. O problema é caracterizado pela inibição do reflexo da evacuação, e o processo se inicia quando a criança retem a vontade de evacuar por medo de sentir dor ou por não querer interromper alguma atividade recreativa. Com o tempo, a criança perde a vontade de evacuar, formando grandes quantidades de fezes que levam a uma dilatação do reto e enfraquecimento dos músculos do ânus. Assim, a criança passa a sujar as roupas sem controle, gerando um grande transtorno para o convívio social e familiar. Leia mais

Os riscos da colonterapia. O que você precisa saber!

Um bom exemplo do que podemos classificar como risco associado à informação de qualidade ruim é a divulgação da colonterapia  ou hidrocolonterapia, lavagem do intestino grosso com o objetivo de “desintoxicar” e “reabilitar” o órgão, “melhorar” a imunidade e “prevenir” uma série de enfermidades. Uma rápida pesquisa no Google nos oferece aproximadamente 643 entradas para colonterapia; 936 para hidrocolonterapia e aproximadamente 19.500 para lavagem do intestino grosso. O problema é que não são disponibilizadas informações sobre os riscos inerentes a este método nada científico, o que deixa o leigo à mercê da sorte.
Leia mais

Luz solar e vitamina D podem prevenir câncer de cólon

Tomar sol matinal pode ser mais benéfico do que se pensa. Pesquisas feitas na Holanda e publicadas no International Journal of Epidemiology apontam que o câncer de cólon é mais freqüente em regiões com pouca incidência solar. Essa constatação tem motivado novos estudos envolvendo a vitamina D3 (colecalciferol), já que o metabolismo dela poderia atuar como um protetor contra a doença. A D3 é produzida pelo óleo natural da pele, após a exposição ao sol. Leia mais

Dificuldade que muitas crianças apresentam em fazer ou “conter” o cocô pode ser sinal de megacólon psicogênico

Disfunção bastante comum na infância, o megacólon psicogênico está geralmente associado a algum transtorno de ordem emocional, como traumas e fobias. O problema é caracterizado pela inibição do reflexo de evacuar. Com o tempo, perde-se esse reflexo e a criança começa a reter as fezes, até que surge o quadro de pseudo-incontinência. Nele, ocorre a perda involuntária decorrente de um mecanismo de transbordamento e de processos inflamatórios. Leia mais

Antidepressivos bloqueadores de serotonina são aliados contra sintoma da síndrome do intestino irritável

O uso de antidepressivos pode ser um grande aliado no tratamento da Síndrome do Intestino (ou cólon) Irritável – SII. O problema tem causa desconhecida e atinge cerca de 1,5 milhão de brasileiros, principalmente mulheres – a proporção é de quatro para cada homem. A indicação do medicamento ocorre quando no quadro clínico há predominância da diarréia. Leia mais